domingo, 13 de agosto de 2017

[Overdose em Festa] Esse ano vai! Bienal 2017 Rio de Janeiro! #BlogueiraAnsiosa #OverdoseDeAmor

[Overdose em Festa] Esse ano vai! Bienal 2017 Rio de Janeiro! #BlogueiraAnsiosa #OverdoseDeAmor #Loveliteratura


Eita um ano alucianado esse, ligadinho na tomada, eletrico e cheio de coisas boas. Faz cinco anos que vivo o sonho do Overdose Literária e faz muito mais tempo que imagino ir em uma bienal, o que nunca aconteceu até o momento, porém, em 2017 com passagens e hospenagem compradas esse sonho se torna realidade. 

Só tenho a agradecer a todos que acompanham o Overdose durante esses anos, que sabem que ele surgiu do nada, de dentro de uma mente sonhadora de uma menina louca por livros. Obrigada aos leitores, blogueiros amigos, escritores, parceiros e editoras que ao longo do tempo fizeram meu sonho ganhar cor e forma e acreditaram no meu trabalho. A cada visualização, cada comentário,  cada linha desse blog lida, vocês fizeram esse sonho ter um sentido imortal! 

Com carinho,
Paula Juliana 

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Resenha: Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Millennium # 1 - Stieg Larsson

Resenha: Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Millennium # 1 - Stieg Larsson
Classificação: 5/5 ♥ Favorito 
Editora: Companhia das Letras

Sinopse: Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Millennium # 1 - Stieg Larsson Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Vem da Suécia um dos maiores êxitos no gênero de mistério dos últimos anos: a trilogia Millennium - da qual este romance, Os homens que não amavam as mulheres, é o primeiro volume. Seu autor, Stieg Larsson, jornalista e ativista político muito respeitado na Suécia, morreu subitamente em 2004, aos cinqüenta anos, vítima de enfarte, e não pôde desfrutar do sucesso estrondoso de sua obra. Seus livros não só alcançaram o topo das vendas nos países em que foram lançados (além da própria Suécia, onde uma em cada quatro pessoas leu pelo menos um exemplar da série, a Alemanha, a Noruega, a Itália, a Dinamarca, a França, a Espanha, a Itália, a Espanha e a Inglaterra), como receberam críticas entusiasmadas. O motivo do sucesso reside em vários fronts. Um deles é a forma original com que Larsson engendra a trama, fazendo-a percorrer variados aspectos da vida contemporânea, da ciranda financeira feita de corrupção à invasão de privacidade, da violência sexual contra as mulheres aos movimentos neofascistas e ao abuso de poder de uma maneira geral. Outro é a criação de personagens extremamente bem construídos e originais, como a jovem e genial hacker Lisbeth Salander, magérrima, com o corpo repleto de piercings e tatuagens e comportamento que beira a delinqüência. O terceiro é a maestria em conduzir a narrativa, repleta de suspense da primeira à última página. Os homens que não amavam as mulheres é um enigma a portas fechadas - passa-se na circunvizinhança de uma ilha. Em 1966, Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial, some sem deixar vestígios. No dia de seu desaparecimento, fechara-se o acesso à ilha onde ela e diversos membros de sua extensa família se encontravam. Desde então, a cada ano, Henrik Vanger, o velho patriarca do clã, recebe uma flor emoldurada - o mesmo presente que Harriet lhe dava, até desaparecer. Ou ser morta. Pois Henrik está convencido de que ela foi assassinada. E que um Vanger a matou. Quase quarenta anos depois, o industrial contrata o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular. Mikael, que acabara de ser condenado por difamação contra o financista Wennerström, preocupa-se com a crise de credibilidade que atinge sua revista, a Millennium. Henrik lhe oferece proteção para a Millennium e provas contra Wennerström, se o jornalista consentir em investigar o assassinato de Harriet. Mikael descobre que suas inquirições não são bem-vindas pela família Vanger, e que muitos querem vê-lo pelas costas. De preferência, morto. Com o auxílio de Lisbeth Salander, que conta com uma mente infatigável para a busca de dados - de preferência, os mais sórdidos -, ele logo percebe que a trilha de segredos e perversidades do clã industrial recua até muito antes do desaparecimento ou morte de Harriet. E segue até muito depois.... até um momento presente, desconfortavelmente presente.

''Uma menina de comportamento desviante que ninguém amava.''

O que leva uma mulher a ser AMADA? Será que é uma beleza surpreendente?! Será a cor intensa de seus olhos?! Será seu corpo, suas curvas?! Sensibilidade?! Delicadeza?! Paixão?! Força?! Ou melhor... O que leva uma mulher a ser ODIADA? Ser maltratada? Abusada? Sua Beleza?! Olhos?! Corpo?! Sensibilidade?! Delicadeza?! Força... ou a falta dela?! Afinal, descobri porque OS HOMENS NÃO AMAVAM AS MULHERES, com uma brilhante e forte história, Stieg Larsson nos conta por meio da força de Lisbeth Salander e da gentiliza de Mikael Blomkvist como um enredo pode ser direto, marcante, chocante, instigante, fazendo o leitor tremer da cabeça aos pés, do começo ao fim da leitura!

''...introvertida, socialmente limitada, ausência de empatia, egocêntrica, comportamento psicopata e anti-social, dificuldades de colaboração e de aprendizado.''

Mikael é um famoso jornalista, co-fundador da revista Millennium, juntamente com Erika, sua melhor amiga de anos, companheira de trabalho e amante ocasional. Mikael caiu em uma armadilha ao investigar um poderoso homem, se inicia assim o Caso Wennerström, onde Mikael é acusado e condenado por difamação e por criar ''provas falsas''. Com uma grande repercussão, Mikael, assim como a Millennium são muito prejudicados e entram em uma grande crise, ele se afasta da revista, mesmo contra a vontade de Erika, nesse meio tempo o jornalista recebe uma oferta do poderoso velho empresário e líder das empresas da família Vanger, Henrik Vanger.

Henrik conta a sua história e o fato que o atormenta a mais de 40 anos, sua sobrinha desapareceu durante uma reunião de família e nunca foi encontrada, o Sr. Vanger acredita que recebe flores em quadros do assassino até hoje, Harriet a doce menina de 16 anos, sempre o presenteara com quadros com flores, após seu sumiço, Henrik ainda recebe os presentes de aniversário, todo ano de um lugar diferente do mundo.

''Mikael sentiu um calafrio percorrer-lhe o corpo.''

Então, quem seria tão sádico e próximo ao ponto de brincar com o homem até hoje? Bem... esse é o mistério que Mikael tem em mãos, descobrir qual foi o triste fim de Harriet! Foi morta mesmo? Qual dos familiares gostaria de ver Henrik maluco? Obcecado? Seria um caso de ambição? Poder? Qual seria o segredo que Harriet iria contar para Henrik antes do acidente na ponte que ocorreu naquele dia?
São tantas as perguntas, as pistas, as pontas soltas dessa história que Mikael acaba se envolvendo e entrando em uma grande teia de aranha onde os homens não amavam suas mulheres!

Falando em mulheres! Lisbeth nossa grande ''mocinha'' protagonista não tem como não ser um grande e polêmico destaque, essa menina de 24 anos me tirou as palavras e o fôlego em diversos momentos da leitura, dizer que ela é uma personagem forte é até um pecado, essa mulher é um tremendo exército inteiro em seu um metro e meio de altura.

Não só na força e determinação Lisbeth se sobrepõem, ela também é uma figura diferente, entre a aparência gótica, obscura e a sua tendencia anti-social, Lisbeth é uma tutelada do estado, é considerada uma INCAPAZ de gerenciar sua vida e seu dinheiro, então desde muito novinha convive com seu tutor, após um derrame o mesmo entra em estado vegetativo e Lisbeth recebe a notícia que outro homem foi designado para cuidar de sua VIDA. Um homem que parece um tanto ambíguo e que vai mexer com a paz de Lisbeth.

''Não conseguia entender Lisbeth Salander. Ela tinha um comportamento estranho, fazia longas pausas no meio da conversa. Seu apartamento era um caos, com montanhas de jornais no vestíbulo e uma cozinha que não passava por uma limpeza havia um ano. [...] Tinha várias tatuagens pelo corpo, piercings no rosto e provavelmente também em lugares que ele não vira. Ou seja, uma criatura especial. ''

São tantas nuances que essa personagem apresenta que ser uma Hacker profissional, com uma super memória fotográfica parece um mero detalhe, mas é esse detalhe que leva Lisbeth a vida do jornalista Mikael!

''- Você tem olhos lindos - ele disse. 
- Você tem olhos gentis - ela respondeu.''

A Obra tem um enredo PODEROSO, não só envolve o leitor, como o coloca dentro de todo o mistério, de repente você está tão mergulhado, tão submerso que as pistas dos personagens são suas pistas, que seus inimigos são os seus inimigos e que você vai fazer de tudo para descobrir, vasculhar e entender esse mistério.

''(Magda), Levítico, capítulo XX, versículo 16:
''Se uma mulher se aproximar de um animal para se prostituir com ele, será morta juntamente com o animal. Serão mortos e levarão a sua iniquidade.''

Mikael é tão gentil, sem palavras para descrever como gostei do seu modo cavaleiro de ser, de como ele foi um bom e digno representante masculino no meio de uma história tão pesada, é um homem encantador, na sua personalidade e principalmente na sua HONESTIDADE, acredito que foi isso que me conquistou e que vai conquistar qualquer leitor não importa qual seu sexo.

Outro personagem que ganhou meu coração foi o velho Henrik  Vanger, o homem que nunca desistiu, foi obstinado, obcecado, sim foi; teimoso, ''lutou'' contra uma família ambiciosa e arrogante, sinceramente ele não é um grande mocinho, não é um personagem SANTO, mas no meio de tanta gente cruel, sua bondade se destacou.

''... o caso Rebecka nos anos 1940, a jovem violentada e assassinada. Para matá-la, haviam posto sua cabeça sobre carvões ardentes. ''A seguir a vítima será cortada em pedaços, com a cabeça e a gordura, que o sacerdote disporá sobre a lenha colocada sobre o fogo do altar.'' Rebecka. RJ. Qual era o sobrenome dela?
Santo Deus! Com que história de gente maluca Harriet havia se metido?''

Os Homens que não Amavam as Mulheres é uma obra forte? Bem... posso dizer com toda a certeza que não é uma história para se ler para crianças, ela tem temas pesados, cenas pesadas, porém, não encontramos descrições horrendas e extremas, mas são apesar de tudo CHOCANTES.
Violência de diversas formas contra as mulheres, dominação, violência física e psicológica, aliados com a investigação do caso Harriet e Wennerström.

''Mulheres desaparecem o tempo todo. Elas não fazem falta a ninguém.''

Um terrível jogo de poder/política e violência/poder. 
Por que alguns homens abusam de suas mulheres? Por que os assassinos matam? Por que as pessoas que não agem moralmente, socialmente corretamente se comportam dessa forma? Uma das respostas seria: Eles PODEM, porque eles fazem o que ''todos'' os homens querem e não fazem, eles pegam e dominam! Um triste, foda, e sádico pensamento, mas é sim uma das respostas que o livro levanta tão brilhantemente. Certo? Errado? Ficção? Realidade?!!!

''Mikael acabava de abrir a porta do inferno.''

Por que ler a série MILLENNIUM? O ENREDO. Os personagens. A investigação, o suspense, a pegada policial, política e jornalistica, se eu falar que tem até religião envolvida nesse meio vocês acreditam?!? Outra coisa, depois desse romance não queria ser mulher na Suécia! Mais motivos? A ambientação! A super escrita do autor, ele é GENIAL, muito bom, muito ágil, quase não senti suas 500 páginas e sim, é uma obra puramente INTELIGENTE, fechada, crítica, muito bem amarrada e brilhantemente desenvolvida. Convenci vocês? Espero de coração que sim, que todos os leitores desse blog se encantem com a profundidade dessa história.

''- Percebi que você é diferente das outras mulheres desde o primeiro instante em que te vi - ele falou. - E vou dizer uma coisa: fazia muito tempo que eu não gostava naturalmente de alguém assim desde o primeiro instante.'' 

Não vou mentir, não foi uma leitura fácil, no começo já sentimos como o enredo é denso e grandioso, sofri muito lendo, não foram só as partes de suspense e investigação que me conquistaram, sofrer, temer, e amar os personagens, odiar também, afinal, temos muito mais pessoas sombrias que fontes de luz nesse enredo, é um FATO. A angustia e a curiosidade são sentimentos e sensações presentes. Como um bom Thriller mexe com a cabeça de quem lê. Sou uma leitora meio maluca e um pouco influenciada pelo que estou lendo no meu dia-a-dia, então, personagens bonitinhos e sorridentes ou ambientes sombrios e situações de suspense naturalmente me deixam mais calma ou tensa. Lisbeth e Mikael me levaram para um mundo profundo e negro, porém, conseguiram me cativar a tal ponto com suas força e gentileza que não tem como não sorrir e se deixar levar por esses dois.

Segundo o autor Stieg Larsson todos temos segredos... trata-se apenas de descobrir quais são! E para mim essa história não termina aqui, sou uma leitora furiosa, apaixonada e louca para descobrir muito mais, todos os segredos, todos os ninhos e armações que existem nessas teias. Millennium se inicia contando uma tremenda história desses homens... Os Homens que não Amavam as MulheresStieg é um rei do Thriller e eu não irei parar por aqui, obra RECOMENDADÍSSIMA!

Política, religião, opinião, jornalismo, violência, romance e muito suspense em uma obra de tirar o FÔLEGO!

''De repente ela percebeu que o amor era o instante em que o coração fica a ponto de explodir.''

Paula Juliana 

terça-feira, 1 de agosto de 2017

[Especial três anos de Parceria Novo Conceito] As melhores histórias que passaram pelo Overdose Literária @EdNovoConceito

[Especial três anos de Parceria Novo Conceito] As melhores histórias que passaram pelo Overdose Literária @EdNovoConceito


Qualquer outro lugar - Splintered # 3 - A. G. Howard


Daqueles que te fazem sonhar!
Não é segredo nenhum meu amor pela ficção e fantasia, mas fazia tempo que uma obra do estilo não me tirava do eixo e me deixava completamente apaixonada, alucinada, pensando em seus personagens ao longo do meu dia, suspirando por suas tiradas sarcásticas e encantada com sua história, seu universo e principalmente com seus personagens.

Qualquer Outro lugar me surpreendeu e me conquistou totalmente, quando o recebi em parceria com a Editora Novo Conceito, me vi em um beco sem saída, não conhecia a história, esse é um terceiro volume, não tinha tempo no momento para ler os anteriores e resolvi na cara e na coragem iniciar a leitura e ver se conseguia me achar no meio de uma história em andamento, coisa que nunca fiz. Para minha surpresa a autora me conquistou logo na primeira página, com sua narrativa rápida, e muito bem explicada, cai direto em um outro mundo, na vida de uma Alyssa, essa descendente de sangue daquela nossa velha conhecida do País da Maravilhas, a partir dai entendi o dilema, Alyssa com seu coração meio mortal, meia intraterrena  dividida entre dois amores, o cavaleiro mortal Jeb e o ser místico Morfeu. Esses dois pressos em Qualquer Outro Lugar, uma das dimensões magicas, Alyssa em uma missão de conseguir resgatar em segurança os dois mocinhos, salvar sua mãe que ficou pressa em um País das Maravilhas que estava se degradando, se destruindo graças a um feitiço da terrível Rainha Vermelha, essa que se encontrava também em Qualquer Outro Lugar em espírito pressa no corpo de uma então ainda pior Rainha, essa de Copas - entre cabeças e corações, entramos em um perigoso mundo de MARAVILHAS, onde Alyssa é a verdadeira Rainha!

 Acredito que para a maioria dos fãs, assim como para mim, foi um fim ótimo, digno da história. Um grande livro, uma narrativa que merece ser lida e conhecida. Termino completamente apaixonada, indicando para Deus e o mundo!
A autora escreve muito bem, é muito ágil e muito inteligente, fez a história de uma forma que é simples e ao mesmo tempo deixa o leitor confuso com seus sentimentos assim como Alyssa que tem seu coração DIVIDIDO por dois mundos. 

Simplesmente amei, me emocionei, senti cada linha, me apaixonei a cada página, foi uma leitura que valeu cada surto meu como leitora! Leiam mais que como um conto de fadas, deixem seus corações sentirem cada dúvida, cada medo, cada certeza de Alyssa e seus personagens bizarros e verdadeiros, com cada pincelada de Jeb, cada estratégia de Morfeu, se joguem nesse jogo de xadrez, indo da toca do coelho a cada espelho perdido de Maravilhas!


Todos os nossos ontens - Destrua o passado para salvar o seu futuro - Cristin Terrill

Muito sabiamente Hermione me ensinou tempos atrás que mexer com tempo era de fato muito perigoso. Cristin Terrill não teve medo, abusou e ousou na obra: Todos os nossos ontens - Destrua o passado para salvar o seu futuro. 
E me deixou encantada e totalmente sem sono!!!
Não é de hoje que meu histórico com distopias é pura história de amor! Sou louca pelo gênero, sempre evito lê-los durante a semana que sei, que quando pegar a história vou querer ler direto, não vou soltar até terminar o livro, com esse bonito não foi diferente.

Essa distopia tem alguns diferencias, e ela não é tão focada na sociedade caótica, no politico e no social, assim como Jogos Vorazes e Divergente por exemplo. 
A história envolve distopia, suspense, romance, drama e eu colocaria fantasia também.
Não querendo menosprezar Cassandra, mas ainda estamos longe de viajar pela quarta dimensão. 

Nunca tinha lido uma obra que falasse tão claramente de viajem no tempo/espaço, e achei que apesar de não ter tirado todas as minhas dúvidas, foi desenvolvida de uma forma simples e fácil.

(...)
''Machucados somem, mas palavras como essas infeccionam.''

Me apaixonei perdidamente por Finn, jovem e velho. Foi uma luz na história.
James foi o personagem mais complexo, duplo, aquele que amei desconfiar amando. Todo o rebuliço, aquela agonia literária foi meio que causada por ele no fim das contas. 

''Ninguém, (...) já me olhou com tanta ternura e profundidade, como se estivesse enxergando dentro de mim.''

É uma distopia com muita aventura, podia ter sido bem mais desenvolvida politicamente, acredito que a autora optou por ter mais a pegada ação/romance/drama, o suspense, aquela tão falada agonia e curiosidade fizeram a leitura super valer para mim. 
E os personagens. James, Finn, Em e Marina juntamente com todas as suas idas e voltas. Seus passados e futuros me conquistaram.  

'' - Só não me deixe, combinado, menina? Por favor, nunca me deixe.''

O Final foi bem marcante, foi intenso, foi daqueles que não desgrudei até terminar, pelo que me pareceu não é uma série, sim um livro único, mesmo que terminou bem fechadinho. Cristin Terrill aprovada!!! Indico Todos os nossos ontens para os fãs de distopia, para os de romance e de aventura. Uma obra Recomendadíssima!!! 

''Acho que nós nunca sabemos de verdade o que está acontecendo dentro de outra pessoa.''


Fragmentados- Só porque a lei diz, não significa que é verdade - Neal Shusterman

Não sei nem como começar a falar dessa obra! Fragmentados como toda boa distopia sabe mexer com o leitor e o trasportar para uma sociedade cruel e caótica, devo começar dizendo que achei o enredo muito, muito original e genial também. Diferente de outras distopias que utilizam da morte como um grande fim, Fragmentados no seu enredo questiona isso, aqui ninguém morre, só continua a viver de uma forma diferente, vamos ser sinceros, viver fragmentado pelo mundo, com um pedacinho de você em inúmeras pessoas diferentes, é viver? 

''... a única razão para eu estar vivo é que aquela pessoa foi fragmentada.
 - Então - diz Connor -, a sua vida é mais importante que a dela? ''

O livro é ótimo, não é perfeito, ou mesmo a melhor distopia que li na minha vida, mas ele é uma grande distopia, tive logo uma relação de amor e ódio, e não se enganem, amei que ele conseguiu despertar isso em mim, logo que comecei a ler pensei na grandiosidade do enredo, em como o assunto era bom, uma grande matéria prima nas mãos e fiquei com medo de como a história seria apresentada.
Então como o próprio livro TUDO veio em pequenos pedaços, começamos partes por partes a conhecer Connor, Risa e Lev. Ao mesmo tempo que nós apresentavam os protagonistas, nos apresentavam também a história, o como é essa sociedade, como é esse processo de Fragmentação e essa tal de Lei da vida, assim como vários termos e separações muito próprias da história!   

(...)

O enredo é incrível, a escrita é direta, bruta e cheia de críticas. Os personagens são guerreiros, gostei dos três principais, me surpreendi com o papel de cada um na história, os secundários a mesma coisa, cada um com uma história diferente, que toca o leitor, que questiona. A Fragmentação é em si BRUTAL, por vários motivos, mas principalmente por ser uma prática aceita e comum, por ser uma violência velada, os Fragmentários são tratados ''muito bem'' nos campos, até na parte final da operação, é uma mistura de horror e segurança, é totalmente apavorante o processo de fragmentação, passei o livro praticamente todo querendo ver como era, como iria ser mostrado aquilo e não querendo também, porque eu sabia que se fosse aparecer seria pelo ponto de vista de uma dos meus principais, e eu não queria que eles fossem fragmentados, então foi essa agonia e desespero durante toda a obra.

O romance é muito, muito sutil, não é o foco, mas está ali, escondidinho, mas presente.
Connor tem um temperamento forte, é guerreiro, um herói. Risa é muito inteligente, e com toda certeza uma sobrevivente. Lev é o personagem com a maior profundidade para mim, é aquele que faz ''merdas'', mas no fim você perdoa, que você quer sacudir, é também o que sofre maior mudança, porque a gente tem toda uma troca de ideologias nele, Lev criado para ser um dizimo, daí isso não acontece, de repente ele se vê em um mundo que não é bom e que vai de encontro com tudo que ele acreditava, então, ele questiona tudo, desde o seu valor, ao dos outros, ao de Deus, os da sua família e os da sociedade como um todo.      

(...)

Fragmentados foi uma distopia maravilhosa, eu queria que alguns pontos tivessem sido mais desenvolvidos, queria que tivesse mais histórias futuramente, em comparação o livro termina bem fechadinho, então, não sei se vem uma sequência por aí, mas foi uma louca leitura. Foi envolvente, sofrida, e daquelas leituras que te fazem pensar e questionar tanto a ficção quanto a realidade. Como toda a boa distopia, a molaridade, o social e o certo e o errado são colocados a prova, junto com os porquês sobre a alma, o mundo, o que as pessoas fazem com ele, e sobre essa prática que cruel ou não salva muitas vidas, e daí vem a grande questão: uma vida é mais importante que a outra? Qual vale mais? Se vale? E os Fragmentados? A vida acaba após fragmentação? E o fim? Ou um novo começo?
Leis! Verdades! Humanidade! 
Fragmentados de pedacinho em pedacinho deixa o leitor inteiramente LIGADO nessa história de matar! Recomendadíssimo!   


*Imagens retiradas do face da editora: @NovoConceito
Paula Juliana